Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2011

A escola que deseduca XIII - Cadê os sociólogos?

A professora Glória Reis comenta a questão dos alunos vítimas de abuso moral por parte de profissionais da "educação":
Não suporto mais ver criança judiada… A gente vê que é um fenômeno universal entre os “civilizados”. Já reparou que só os povos primitivos não humilham e torturam suas crianças?Glória Reis

Este é um dos poucos espaços que defendem as crianças e adolescentes vítimas de maus tratos, torturas, humilhações, gritos, xingamentos, omissão de socorro e tudo de ruim que pode lhes ocorrer na escola, principalmente a pública, essa terra "de ninguém", reduto da ilegalidade e do autoritarismo de adultos mal crescidos e mal amados. Como a professora Glória, nós também não vemos luz no fim do túnel. O aluno que na semana passada salvamos de expulsão por motivo fútil, e que além disso foi chamado de "moleque de merda" por uma figura que não merece o salário que recebe, está sofrendo perseguições e represálias dentro da escola. A sorte é que ele só tem ma…

A escola tabu nº 27 - Corja de urubus

Mensagem de uma professora:

A verdade é uma só: temos professores efetivos brilhantes assim como temos professores temporários, o problema é a corja de urubus que não estão nem aí com nossos estudantes e, quando cobramos alguma coisa, uma postura de professor, dizem que somos moralistas. Infelizmente, a minoria que ainda temos de profissionais excelentes estão caindo fora da educação pública, na escola em que trabalho até tentamos fazer a diferença, mas infelizmente chega uma hora que cansa, descaso de professores, do governo que não toma uma atitude mais drástica. Pra mim, professores deveriam ser avaliados pelos alunos, assim certos colegas pensariam duas vezes antes de ficarem enrolando e matando aula. Mas te garanto, os filhos deles estudam em escola particular, e muitos desses colegas também lecionam em escola particular no contra turno, e eu dúvido que façam lá o mesmo que fazem aqui: “NADA”.
Profª Josefa
Leia mais posts da série A escola tabu: Quadrilha dentro da escola A sociedade …

A escola em raio X - A série nº 7 - A lei como papel de embrulho

Mensagem de mais uma mãe denunciando o uso obrigatório (e ilegal) do uniforme.
Sou de SP-Capital e meu filho estuda em uma escola pública estadual, aluno da 6.série. Nesta semana ele foi proibido de assistir uma aula por estar sem a calça do uniforme e a diretora foi extremamente estúpida com ele por duas vezes por esse motivo, gritando com ele e dizendo que a culpa de ele não ter a calça ou a antiga estar rasgada não era problema dela e sim de sua mãe, no caso eu. Já foi explicada a situação de que não tenho como comprar outra calça no momento, e mesmo assim a diretora coloca meu filho em estado de constrangimento, inclusive ela fez isso na presença de outro aluno. Meu filho chegou a conversar com a coordenadora da escola e a mesma permitiu que ele fosse de calça jeans para as aulas e a mesma disse que tentaria providenciar alguma calça pra ele. Mas mesmo assim, a diretora chamou a atenção dele. Ah sim, bem antes do ocorrido ele foi por algumas vezes até a secretaria da escola para …

Expulsar Rui Barbosa, que tal?

Outro dia publicamos um post sobre o artigo da Revista  Educação que compara a Machado de Assis, pobre, mulato e doente, muitos dos alunos matriculados na escola pública. Isso leva a uma boa reflexão: se metade dos alunos que deveriam estar cursando o ensino médio desistem, evadem ou são expulsos, quantos "Machado de Assis" o Brasil não poderá estar perdendo?...

O aluno que nos escreveu na semana passada e que também mencionamos no mesmo post poderá vir a ser um novo "Rui Barbosa". Seus e-mails são brilhantes, densos de conteúdo, sem erros de português. Seu modo de falar é extremamente calmo, respeitoso e equilibrado. O menino tem 17 anos e estuda no período noturno numa escola da Diretoria Sul 2, em São Paulo. Já está no terceiro ano do Ensino Médio, pretende estudar advocacia e desde o primeiro ano está tentando fundar um grêmio, mas a diretoria da escola não permitiu até hoje. Uma escola que não elege Conselho e que esconde seu regimento para poder abusar dos …

Seu moleque de merda!

Já ouviu alguma autoridade da escola chamar você, aluno, por esse nome? Eu até ouvi professora chamar uma classe inteira de "merda", leia clicando aqui.
Não aceite ser tratado dessa forma, você merece respeito! Já já vamos contar uma nova história desse tipo aqui.
Da caixa de comentários
Anônimo diz: O contrário, aluno insultando o professor, acontece todos os dias. Palavrões são o bom dia na escola brasileira. Ou será que você acha aceitável aluno boca suja?
Vera Vaz responde: São duas coisas completamente diferentes!!!!!!!!!!
O aluno é um ser humano em formação e é por isso que seus atos tem peso e significado diferente do que se atribui aos adultos e com mais razões ainda se espera de um professor atitudes exemplares!
Eu sempre me assusto com esses comentários em que o professor quer se colocar em pé de igualdade com os alunos, pois isso quer dizer que ele simplesmente não entendeu sua missão e função e portanto não consegue se posicionar como educador, sendo assim não conquista …

A escola olhando para a pobreza

Finalmente, um texto que enxerga de frente a questão da igualdade de condições na escola brasileira. Bem, o foco não era bem esse, mas o resultado mostrou esse viés. Trata-se do artigo Olhares para a pobreza, de Paulo de Camargo, publicado na Revista Educação de junho. Só o início do texto já é bem revelador:
Ele era mulato, pobre, doente, não morava com sua mãe, estudou pouco e aos solavancos, sofria de gagueira e epilepsia. Se excluíssemos a tartamudez e os surtos epiléticos, esse perfil poderia ser atribuído a um dos 28,6 milhões de crianças e jovens com idade entre 0 e 17 anos que vivem em lares com renda per capita de até meio salário mínimo (R$ 272,50) - ou 45,6% do total nessa faixa etária, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Mas ele era Machado de Assis, reconhecido como um dos maiores autores da literatura brasileira, e que se tornou quem foi à custa de seu gênio e das relações que fez.
Quantos "Machado de Assis" a escola brasileira expul…

Viva a inclusão!

Clique nas imagens para ampliá-las
O que fazer com o aluno dislexo? Até hoje, o Brasil não sabe... mas também não quer saber! Por tratar-se de uma minoria, a tendência é a escola não se preocupar com esses alunos ou até expulsá-los.
Por esse motivo, é extremamente louvável a iniciativa da professora Ana Lúcia, que se preocupou em trazer de volta o aluno Christian, totalmente desestimulado para ir à escola. Ela criou uma estratégia muito interessante: motivou os colegas a escreverem mensagens para o menino, confeccionou um livrinho e o levou para ele. Copiamos aqui algumas das mensagens, que também comentamos, para mostrar como as crianças podem ser sensíveis, compreensivas e perspicazes.


Aqui Fabiana usou toda a sua arte para demonstrar seu carinho ao amigo.


Júlio sente a falta do colega e percebe que, de alguma forma, ele faz a diferença na classe.


Georgia entende que Christian tem muitas qualidades especiais.


Marcelo sente falta da companhia do Christian durante a atividade de jardinage…

Dislexia - O Brasil não sabe NADA

Lançamos um amplo apelo em toda a net pedindo informações sobre pesquisas sérias a respeito da dislexia e, mais ainda, sobre formas eficazes de alfabetização para crianças dislexas e com DDA. Simplesmente, não houve qualquer resposta...
Iniciamos este questionamento há uma década, quando contribuímos com uma matéria do Fantástico, que pela primeira vez entrevistou pessoas com essa disfunção. De lá para cá, não paramos de receber mensagens inconformadas de pais que não encontram escolas preparadas para atender seus filhos dislexos. Hoje, em vez de melhorar, a situação piorou, pois a moda é expulsar os alunos dislexos da escola, principalmente na rede particular.
O apelo que lançamos no mês passado foi devido à expulsão da escola de duas crianças em fase de alfabetização, notícias que recebemos em menos de duas semanas. Isso vale como um atestado de incompetência dessas duas escolas. E a falta de retorno sobre pesquisas e projetos de inclusão de crianças dislexas confirma que as escolas…