Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2011

A tragédia do Ensino Médio - A série III

No 1º número desta série vimos a tragédia da evasão e da exclusão dos alunos do Ensino Médio, metade dos quais não termina o curso.
No 2º número abordamos a tragédia da AULA VAGA e do pouco aproveitamento dos alunos, o que mostra claramente a inutilidade de um curso que liga o nada a coisa nenhuma.
Neste post vamos abordar a tragédia do tratamento dispensado ao aluno do Ensino Médio na própria escola. Como sempre, não vamos teorizar ou fazer denúncias genéricas, apenas escolher alguns dos casos reais mais representativos que passaram por este blog. Yes, nós temos memória! E, para facilitar sua leitura, organizamos uma pirâmide, rs...
Homofobia premiada A caguetagem premiada Mais uma da EE Jardim Iguatemi Tudo, na escola, é pedagógico... ou não O Brasil jogando fora sua maior riqueza Cinco alunas expulsas de uma única vez O bode expiatório de uma sociedade hipócrita Aluna se assusta com processo administrativo Aluno expulso aprende a defender seus direitos Formatura da aluna que conseguimos reinte…

A escola tabu nº 39 - Nova mensagem da mãe do aluno expulso

A mãe do menino cuja rematrícula foi negada enviou nova mensagem, com informações sobre mais irregularidades da escola. Vamos recapitular todas as falhas dessa escola, que já foram encaminhadas ao Prof. João Palma, Secretário Adjunto da SEE e aguardamos providências:Negação de rematrícula de aluno que faltou às aulas por doença e, aparentemente, de outros alunos.Obrigatoriedade do uso do uniforme, contrariando a Lei Estadual 3.913/83.Professores se negando a dar atenção ao aluno expulso.Professores e inspetores tratando pais e alunos aos gritos.Segue a nova mensagem da mãe do aluno:
Existem vários epsódios acontecendo, tem mais um aluno da mesma sala do meu filho sendo expulso, nao sei o motivo, mas sei que tbm nao foi bagunça. A calça do uniforme do Rafa rasgou quando ele fazia edução física, ele tem a bermuda da escola, então dia de chuva mando ele com calça jens, pois não vou comprar uniforme visto que perderei a calça, ano que vem uniforme de outra escola, então avisei à direção o …

Polícia prende alunos "matando" aula

Já sabemos que a escola brasileira pode "oferecer" até 40% de AULAS VAGAS ao aluno do ensino médio. As demais aulas são sofríveis ou até péssimas, no entanto, o aluno é OBRIGADO a ir à escola.

A piada acima não vale no Brasil, onde o aluno pode ser caçado pela polícia se for matar aula. Não importa que ele seja levado de volta para uma escola com aula vaga, aula medíocre ou péssima. E tudo isso com a "parceria" dos conselhos tutelares, esses lacaios da escola, dentro de uma operação de absurda ilegalidade, se considerarmos que os conselhos tutelares deveriam ser tutores da Lei, que não permite à polícia "caçar" crianças e adolescentes.


No Brasil, não se admite aluno fora da escola, mesmo que ele fique dentro dela apenas de corpo presente e sem aula. Caso os pais, por exemplo, resolvam educar os filhos em casa, eles podem ser processados por "abandono intelectual", mesmo sendo melhores professores do que os dos filhos, como o casal de Minas Gerais

A escola tabu nº 38 - Nova expulsão branca

Você já sabe o que é uma expulsão "branca". Se tiver esquecido, leia clicando aqui.
Recebemos a denúncia de mais uma expulsão desse tipo, que vamos levar à Secretaria da Educação. De antemão, seguem trechos da mensagem da mãe do aluno, sem identificá-la, para mais uma vez mostrar que O MAIOR PROBLEMA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL NÃO É A QUALIDADE DO ENSINO. Leia a mensagem da mãe:
Meu filho frequentou o 1º bimestre normalmente, no 2º e 3º bimestres ficou doente, voltou a frequentar normalmente a escola no 4° bimestre, consequentemente não está bem com suas notas e fui convidada a retirá-lo da escola. Não me deixaram rematricular ele, me mandaram ir começo de janeiro procurar outra escola, fui informada que ele vai repetir de ano, pois não tem boas notas e está retido. Meu filho é um aluno muito inteligente, mas entrou em bronquite psicológica, com idas noturnas ao médico e tomando varios remédios.Eles me disseram que se eu não mudar ele de escola eles vão mandar o conselho expulsar …

A tragédia do Ensino Médio - A série II

Vimos outro dia o tamanho do rombo. Leia clicando aqui.
Os dados mais intrigantes: apenas metade dos alunos matriculados concluem o Ensino Médio;dessa metade, apenas 10% adquirem os conhecimentos necessários.Buscando explicações, encontrei no twitter duas matérias indicadas pelo Gustavo Ioschpe e publicadas por Todos pela Educação. Trata-se de uma tímida mas séria pesquisa desenvolvida por... quem? Se você respondeu: pelo INEP(t), errou! O Estudo foi solicitado ao Ibope pelo Instituto Unibanco, interessado em avaliar os resultados de seu projeto Jovem de Futuro, implantado em escolas da rede pública.
A primeira matéria, Aulas perdidas são mais frequentes às sextas-feiras, dá finalmente alguma explicação sobre a AULA VAGA, esse fenômeno "tabu", tanto que essa expressão não é conhecida nem mesmo pelos realizadores da pesquisa, que a chamam de "aula perdida" ou "aula cancelada". Nesse quesito, o Brasil é certamente campeão mundial, mas a sociedade não sente ve…

Mídia nota zero - A série XXVI - Big brother na escola 2

O segundo "capítulo" do Big Brother na escola é ainda pior do que o primeiro, superou as expectativas. Ainda bem que o Mauro e a Cremilda me dispensaram dos comentários. Assista a seguir.






Por falar no Fantástico, em 2001 indiquei uma pessoa para uma matéria sobre dislexia, tendo sido aliás o primeiro programa a abordar o assunto na TV brasileira. 10 anos se passaram e o Brasil continua não entendendo bulhufas do assunto. A pessoa entrevistada, no ínterim, acabou tendo o mesmo problema com um dos filhos, que está sentindo na pele tudo o que a mãe passou, pois as escolas continuam sem qualquer preparo para lidar com as dificuldades de aprendizagem. Bom, essa mãe me pediu para recuperar a gravação, mas a empreitada está praticamente impossível: o Fantástico está blindado, de forma absolutamente FANTÁSTICA! Os telefones e e-mails que eu tinha na época, ainda registrados no meu outlook, ficaram todos inválidos, nenhum telefone da Globo permite um contato direto com a redação do pr…

A tragédia do Ensino Médio - A série I

Já comentamos aqui nossa luta para evitar a extinção do excelente formato do ensino técnico integrado ao médio, medida infeliz tomada pelo governo federal há 15 anos.
No dia 8 de novembro estivemos em um debate do Instituto Singularidades, do qual participou justamente Claudio de Moura Castro, um dos responsáveis pela extinção do ensino técnico integrado, e questionamos a medida. Ele teve que se ausentar logo em seguida e foi lacônico em sua resposta: teria pedido a extinção do programa porque era elitista. Infelizmente não pudemos expor nossos argumentos devido à sua saída, mas certamente ele não entenderia, assim como o emissário "balofo" que o MEC enviou na época para nos explicar o projeto. Leia clicando aqui.

Na época, o único problema era mesmo o elitismo, que pretendíamos fosse eliminado através da ampliação da rede, ou melhor, da criação de uma rede estadual de ensino técnico integrado, desvinculada da Paula Souza. Ainda assim o ensino médio, naquela rede, era bem foca…

Mídia nota zero - A série XXV - Big brother na escola

O Fantástico iniciou uma série de reportagens para ilustrar a "realidade" da vida dos professores. Veja a primeira clicando aqui.
Como em todo reality show (que nada tem a ver com a realidade...) cada um dos "atores" faz a pose que mais lhe convém, nesse caso, os quatro professores escolhidos para participar das reportagens. Numa das cenas mais significativas, uma professora esbraveja sobre um aluno que a "fará enfartar" naquele dia...
Já se foi a época em que a mídia fazia jornalismo investigativo e buscava, realmente... a realidade. Lembro que uma vez, há uns vinte anos, eu estava na redação de um jornal quando ouvi uma repórter responder para seu chefe: "Não dá para inventar notícia!". Hoje, o próprio jornalista faz e, em muitos casos, ele próprio É a notícia.
O que mais preocupa é a reação dos alunos, pois, mesmo sem perceber, poderão assumir espontaneamente o papel que lhes é destinado no "script": o de vilões. Isso já começou com a…

Acorda, Brasil!

Mensagem de uma mãe, da caixa de comentários do post Por que os alunos não aprendem:
Nossa, quanto carnaval. Realmente este é o pais do carnaval. Tudo isso é tão sério! Tenho estado calada, pensado e recolhida com todos os absurdos que eu vivi e que estou vendo meu filho viver. Se eu tivesse todo o dinheiro do mundo para fazer justiça eu não conseguiria fazer a justiça do mal que foi feito ao meu filho no que diz respeito ao ensino.

O Brasil anda de marcha ré!

Espero que todos acordem logo porque só o ensino pode fazer brilhar um pais!

Os bons exemplos: quem os segue?...

O post Por que os alunos não aprendem resultou numa polêmica de “bastidores”, para falar de uma forma simpática... Na verdade, recebemos diversos comentários impublicáveis, com palavras de baixo calão, “argumentando” que neste espaço só se fala mal da escola e do professor, sem nunca mostrar bons exemplos. Como sempre, diversos comentários nos convidaram a enfrentar uma sala de aula, rsrs. Não estamos minimamente preocupados com as críticas nem com o baixo nível dos comentários, mas fazemos questão de mostrar que sempre publicamos bons exemplos de sucesso na rede pública. O problema é que eles não são seguidos! A maioria dos diretores de escola e dos professores, que efetivamente não fazem um bom trabalho (caso contrário os níveis educacionais não estariam tão baixos), gostam de “autonomia” e se sentem auto-suficientes. Assim, em lugar de procurar saber como trabalham seus colegas bem-sucedidos, os ignoram ou até criticam. Esse é o resultado de políticas públicas em que não existe…

A escola tabu nº 37 - Novamente a suspensão coletiva

Muitos pais de alunos escrevem revoltados, relatando que os filhos receberam suspensão coletiva, uma prática muito frequente e simplesmente INCONSTITUCIONAL. Aqui, na rede pública de São Paulo, funciona da seguinte forma: metade da classe é suspensa durante alguns dias; na volta desses alunos, suspende-se a outra metade.

A escola não é "boba" de dispensar toda a classe durante uma semana, pois poderia ser processada por oferta irregular de ensino. E também (geralmente) não é boba de dar a suspensão por escrito: isso é informado oralmente aos pais por intermédio dos filhos, assim nada fica registrado de forma oficial.

O que muitos não sabem é para que serve a suspensão coletiva. De modo geral, ela é utilizada por escolas incompetentes para "solucionar" problemas disciplinares. Quando ocorre alguma situação considerada grave, suspende-se uma classe inteira até que "apareça" o culpado. Para que isso aconteça, estimula-se a delação. O importante, para certos…

A escola tabu nº 36 - Por que os alunos não aprendem

Na mídia, a capacitação dos professores é mais um assunto tabu, mantido a sete chaves para que a corporação possa continuar responsabilizando o aluno e a família pelo fracasso da escola.

Finalmente, o depoimento de duas grandes educadoras brasileiras demonstra por que os alunos não aprendem. Em debate realizado durante seminário internacional organizado pelo Instituto Singularidades, no dia 8 de novembro, Bernadete Gatti, da Fundação Carlos Chagas, e Eunice Durham, professora da USP, se posicionaram clara e corajosamente sobre esse assunto tabu.
A educadora Bernadete Gatti foi professora de crianças e adolescentes durante anos, antes de se voltar para a área acadêmica, onde é reconhecida por sua clareza de pensamento e de expressão. Alguns dos seus textos podem ser lidos no site da UNESCO.
Bernadete aponta as exacerbadas diferenças sociais no Brasil, onde 50% dos jovens que deveriam frequentar o ensino médio estão fora da escola, o que alimenta a segregação social, através da segreg…

Coronelismo na educação

As páginas dos jornais estão lotadas de notícias com respeito à invasão da reitoria da USP por estudantes, uma questão menor, frente aos inúmeros problemas do sistema educacional, que a mídia varre para baixo do tapete.
Outro problema, muito mais sério, está ocorrendo há quase um mês em Rondônia. Se este país fosse uma verdadeira nação, esse problema estaria tendo a mesma repercussão que o da USP e seria inclusive possível comparar os dois casos. No entanto, Rondônia deve ser considerado pela sociedade brasileira um estadozinho da periferia, digamos, marginal.
Há quase um mês, estudantes e professores da Unir - Universidade Federal de Rondônia, estão em greve e acampados na reitoria da universidade, por motivos muito mais sérios que os da USP: corrupção generalizada, que vai desde a má administraçaõ de recursos até ao favorecimento na concessão de vagas, por parte do reitor, José Januario de Oliveira Amaral. Estudantes e professores querem a renúncia do reitor que, bravo coroné, não pre…

Analfabetismo matemático?

No "dia das crianças", o economista especializado em educação Gustavo Ioschpe atirou uma "bomba" através da VEJA que, em outro país, teria causado um terremoto de indignação. Aqui, o artigo não teve qualquer repercussão, simplesmente passou em branco e nem está disponível nos arquivos eletrônicos da VEJA.
Estranho? O artigo se entitula O rombo da educação é o cabide de emprego de 46 bilhões de reais e trata de um assunto que dói no bolso de todo cidadão consciente. Suspeitamos que o leitor da VEJA esteja anestesiado ou pouco alfabetizado em números para entender o economês do autor. E olha que ele fez umas continhas bem simples...
Vamos trocar em miúdos o conteúdo do artigo. Através do famoso INEP (que aqui costumamos chamar de INEP(t) e tomara que desta vez a informação esteja correta, rs...), Gustavo Ioschpe ficou sabendo que o sistema de ensino brasileiro é um enorme cabide de empregos, onde:
Para cada 1 professor há 3 funcionários.
Apenas para termos uma ideia do t…