31 maio 2013

A Comissão da Verdade - estátua de sal?...


Temos recebido informações de casos de tortura, psicológica ou não, até de crianças pequenas, em creches e escolas públicas brasileiras, fato que é ignorado pela maioria dos formadores de opinião e que só tem vindo timidamente a público através da instalação de câmeras de vídeos nos prédios, já que os pais muitas vezes não desconfiam ou até têm medo de acreditar nessa possibilidade. Vamos refrescar nossa memória clicando aqui.

Outros casos de tortura ocorrem nos "bastidores" das caçadas policiais, mas esses nunca vêm mesmo a público em detalhes, são muito bem abafados, pois dá que alguém descubra o que se passa - de fato - no interior das delegacias de polícia e nos centros de detenção provisória? Mas as possibilidades são mínimas! Quais familiares desses presos terão coragem de denunciar as torturas, sob pena de ter seu filho, irmão, namorado ou marido, assassinado como queima de arquivo?...

Após a tortura e até uma possível soltura, a vida do preso vira um INFERNO - não porque o ministro da Justiça usou essa expressão, que aliás mereceu pouca atenção da sociedade, mas porque essa é a pura verdade.

Por que o EducaFórum está preocupado com essa questão? Já cansamos de denunciar aqui as expulsões a rodo das escolas públicas brasileiras, de alunos que engordam o "mercado" da marginalidade - este sempre pronto para novas "contratações". Recebemos também muitas mensagens de mães preocupadas ou até desesperadas por terem seus filhos torturados e presos. A seguir, trechos de mensagens recebidas durante os últimos doze meses de uma única mãe cujo filho, réu primário, torturado e acusado de roubo, continua preso por pura falta de recursos, pois qualquer advogado o libertaria por uns 30 mil (essa foi a "taxa" pedida na época. Talvez hoje seria exigido um "reajuste" que não temos como calcular e que menos ainda ela possuiria, pois durante todo o ano gastou tudo o que tinha e o que não tinha para "abastecer" o sistema prisional...).

Estamos em dúvida se a recém instalada Comissão da Verdade, que investiga as torturas durante o regime militar, está cumprindo a que pensamos ser sua função - apontar os erros do passado, para que não sejam mais cometidos. O resultado que vemos é um aumento do desejo de vingança e o foco da investigação parece anos-luz da realidade atual. Nosso receio é que essa comissão vire uma estátua de sal...

A sociedade brasileira parece cultivar o prazer da tortura contra aqueles que não podem se defender, e em situação de conforto para o torturador, como foi no passado e ainda é hoje. Mesmo em contexto diferente,  as torturas continuam, não como ações isoladas de sociopatas, mas como medidas pretensamente "educativas" ou "punitivas". Urge esclarecer tamanha ignorância!


23/07/12 O advogado perguntou ao meu filho se ele reconheceria os seus agressores, aqueles que o torturaram e deixaram seu pé quebrado. Ele disse que não. Bem já começa a dificuldade no local onde ele foi ouvido. São tres mil presos, e impossível que nenhum fale, um fala uma coisa o outro fala outra, a gente conversa com as visitas nas filas de espera e ouve coisas de arrepepiar o cabelo. Seres humanos tratados daquela forma viram bicho, os bons embrutecem e os maus pioram.

 28/08/12 As testemunhas únicas que se apresentaram na delegacia, são os mesmos policiais que espancaram meu filho pela primeira vez no caminho entre a avenida e o DP. Estou perturbada, o choque foi muito grande, estou tomando tranquilizantes para dormir e antidepressivo durante o dia. Tenho segurado essa "onda", mas sei que não poderei manter essa dosagem de medicamento muito tempo.A situação do meu filho continua inalterada, como a da maioria dos presos que não tem dinheiro para pagar um advogado medalhão...

16/10/12 Falei com o pessoal dos direitos humanos, uma hora mais ou menos. Levei uns documentos, ele fez algumas anotações. Tudo que ele sugeria,eu já tinha feito
Ficou tudo muito no ar, ele anotou algumas coisas, prometeu que falaria com alguém e na saida disse que se eu quisesse desabafar poderia aparecer ou ligar. Me segurei bem, mas logo que saí da porta afora, eu chorei... Meu filho naquela situação, e eu dei a impressão que precisava de um lugar para desabafar.

19/10/12 O namorado de um preso que está no mesmo local pidiu que no dia da visita a mãe mandasse água para ele. Pode entrar duas garrafas, alí tudo é controlado.Normalmente eu saio da visita com sede. O dia que pedi um pouco de água, eles tinham uma garrafa só pela metade, e fiquei com a sensação que aquele copo de água que bebi ia fazer falta para eles, e faz mesmo, descobrí depois. Meu filho não pede nada para mim, esses detalhes ele não me conta, mas fico sabendo e como dói... Imagina só. São em média 40 numa cela, e 10 rececebem visita, são 20 garrafas de água para 40  presos beberem durante uma semana. Garrafas de no máximo 2 litros. Comem mal e com aquela água é impossível não contrair doença. 
Eu não me incomodo de beber água de torneira, em casa tomo mineral e tenho filtro, mas tomo de torneira sem problema nenhum, mas a água de lá, parece água de reuso, está longe de ser água potável ou a caixa dágua nunca foi lavada ou está descoberta.
Uma coisa horrivel. Água, uma coisa que a gente toma sem nem pensar. Agora toda vez que tenho sede meu coração aperta, saber que meu filho e os outros infelizes também não tem o mínimo. Seria bom se o Dr.Dráuzio Varela fosse lá e pedisse para tomar água da torneira, a água que os presos tomam. Ele nem precisava arriscar e tomar, só sentir o cheiro e ver a coloração dela. Cruel, cruel demais.

OBS NOSSA: O Dr. Dráuzio Varella recebeu inúmeros e-mails nossos desde essa data até hoje, repassando as mensagens dessa mãe, mas nunca deu retorno. 

15/11/12 O Ministro José Eduardo Cardozo declara que é melhor morrer do que estar preso. Ele não sabe que é pior que imagina. Preso não pode escolher morrer. Não tem essa escolha na cadeia. Vou chamá-lo Jesus, com certeza mais de 18 anos, mas menos de 20 provavelmente. Mais uma vítima da drogadicção que leva ao crime contra o patrimônio e encarcera os nossos jovens em massa no Estado de São Paulo. Ele está sendo quase arrastado pelo braço por presos que se revezam. Obrigado a andar pelo pequeno espaço do páteo onde tomam sol, num vai e vem enlouquecedor. Jesus tem que andar sem parar, os presos se revezam para arrastá-lo. Ele tem que se cansar para dormir quando for trancado na cela, depois que as visitas forem embora. Segurança para os presos, que tem que mantê-lo vivo. Se Jesus se suicidar, todos serão cruelmente castigados na cela. Daí a vigilância para que ele não se enforque ou não bata a cabeça na parede até morrer. Não é misericórdia ou compaixão, esses sentimentos os presos deixam fora do Centro de Detenção Provisória logo que chegam no primeiro dia. Jesus come pouco, a comida alí é ruim e em pequena quantidade, mas ele não se incomoda, mergulhado na dor e depressão profunda come o mínimo. A mistura da boia os outros presos comem, ele não tem nenhuma reação e nem poderia, diante dos companheiros embrutecidos pela situação onde o mais feroz sobrevive. Que esse Jesus vai morrer logo, como morrem centenas todo dia nas cadeias, vai. Só que não será suicídio e sim com alguma doença comum ali, tuberculose, hepatite ou pneumonia, ou outra doença qualquer que justifique e não cause nenhum problema para a direção. Não sei se o Ministro José Eduardo Cardozo só falou que estar preso é pior que a morte diante da possibilidade de políticos como ele “puxar cana dura”, mesmo assim valeu. Chamou a atenção e todo mundo comenta hoje. Uma pequena luz na escuridão tenebrosa é melhor que nada.

07/12/12 Se acontecer algo comigo ou com meu filho, o principal suspeito é o soldado que o espancou. Nunca acreditei que meu filho fosse um criminoso, mas isso é uma segunda e dolorosa parte. No BO e no IP consta um mesmo soldado como testemunha. O mesmo soldado que fez a prisão e que é arrolado como única testemunha de acusação. Consta que o carro roubado estava abandonado perto do motel onde houve o assalto. Meu filho e seu amigo foram presos andando calmamente numa avenida paralela. Coisa que acontece muito. Acontece um assalto, a polícia encontra alguém  nas imediações e a julgar pelo modo com que deixaram meu filho todo arrebentado, é fácil imaginar como se arranca uma confissão, um soldado faz a ocorrência de flagrante e é premiado a cada flagrante. Pega os primeiros coitados que estão nas imediações.
Meu filho é negro e usa a cabeça raspada, o outro é branco e o cabelo grande. A primeira audiência, mais de cinco meses depois que meu filho está preso numa cela com 45 pessoas, uma cela onde cabem 12.Aliás aquilo não pode ser chamado de cela. Cela seria lugar onde ficariam seres humanos. A audiência é marcada e o policial não comparece. 
Por causa disso é marcada uma segunda audiência onde o soldado é a única testemunha, o mesmo que espancou e deu o "flagrante" suposto. O  soldado não comparece na audiência de 30 de Outubro. No entanto, as vítimas sim, elas comparecem e  não reconhecem meu filho e dizem que quem fez tudo era uma pessoa de cabelo, que tinha um careca junto mas que não viram direito seu rosto. Por causa da ausência do soldado no julgamento, custa a meu filho mais um mes de prisão, o juiz remarca a audiência. Meu filho volta para a cela e a audiência acontece dia 27 de novembro e nessa segudna audiência o soldado comparece e já aponta meu filho. "Era aquele careca que eu peguei dentro do carro." O advogado questiona: não era o que estava escrito no BO, onde inclusive consta que não era flagrante. Se as vítimas não reconheceram meu filho, se a testemunha de acusação mente e dá para provar que mentia, uma vez que na delegacia tem documento assinado e ali na audiência estava gravado, o que faz um Juíz devolver os acusados para a cela 
Hoje dia 7 de Dezembro e meu filho preso desde dia 27 de Maio. Os julgamentos ocorrem dessa forma... Claro que na volta para o CDP  ele foi recebendo "massagem" e ameaça dos policiais que ouviram tudo, ouviram o seu colega acusado de mentir e forjar um flagrante. Então acontecem coisas piores lá da Detenção. Se acontecer algo comigo e com meu filho vocês estão autorizados a divulgar esta carta.

11/05/13  Faço qualquer coisa, estou no aguardo de um novo HC e volto novamente para Brasília. Já estou devendo as calças, então vai mais este gasto e vou lá em Brasilia.A comida onde ele está agora é tão ruim que eu ví uma moela de frango que serviam e tinha até detritos de milho que a galinha comeu antes de morrer na moela só fervida com água e sal. Muito triste. Agora ficam soltos o dia todo no pátio, um pátio só de terra, se chove é lama só. O que tem de bom é que a companheirada é tudo gente do semi aberto e a maioria absoluta afim de se regenerar. Quem está querendo voltar para o crime foge, com a maior facilidade. Então foge uns tres por semana. Um tipo de seleção, os que ficam, ficam conformados e esperançosos. Diferente das penitenciárias que tem tudo junto. Alguns ficam tão embrutecidos pelo tratamento na prisão que matam só para ver o companheiro estrebuchar e dão risada. Meu filho se chocava. Agora ele pode ligar para mim quantas vêzes quiser por dia, tem dois orelhões no páteo.Claro que as conversas são monitoradas, mas conversa com família é tranquila. Amanhã dia das mães pretendo chegar bem cedo e passar o dia com ele.Tem sempre preso que não tem visita e eu levo comida a mais, tipo para mais ou menos uns dez e a gente se junta e come todos na mesma hora. Alguns são muito pobres, a familia não visita por causa disso. Outros a família é de longe, tem aqueles que a familia já abandonou faz tempo. Então, muitos são sozinhos e a gente junta.

20/05/13 Ontem foi dia de visita. Agora ele está numa cadeia semi aberta, que é semi fechada, só não fica na tranca o dia todo. Estava na cadeia do PCC, agora é do CRBC, duas facções rivais. Só que o PCC é rica e o CRBC é pobre e  em qualquer uma das duas o preso ou se filia a facção e se defende minimamente da violência dos agentes do estado e dos presos ferozes ou  morre aos poucos. Fica acuado, é sempre o primeiro que apanha. O preso que se filia tem a "proteção" da facção. o que não se filia fica numa espécie de limbo e quando sair sua familia fica na mira das duas facções e ele na mira da policia porque tem antecedentes criminais.

22/05/13 O PCC tem umas regras crueis, diferentes daqui de fora com valores completamente invertidos, mas alguma coisa até faz sentido. Não aceitam  estupro, nem preso pode roubar preso. Espancamento só depois de um julgamento onde todos votam, não pode matar. Pode não ser do PCC não é obrigado a se filiar, mas tem que seguir na cadeia todas as regras deles, na rua uma vez livre, perde o vínculo com o pcc completamente, sem nenhum problema.
Já a CRBC, é a facção rival que aceita tudo que o PCC rejeita. Homossexuais, estupradores, quem mata criança com requintes de crueldade. Roubam entre si. São aqueles que são o resto do resto.
Suicídio também o PCC não aceita, o CRBC não só aceita como ajuda. Tem coisas que não posso falar agora, mas é estarrecedor. Os que trabalham na rua, voltam com "coisas" e não são  revistados, no PCC eles não aceitam. O cara tem que se definir, quem quer trabalhar tem que ser trabalhador. Mutilação que o PCC não aceita eles fazem. No PCC o preso tem 3 chances antes de ser condenado a morte e só em caso extremo, dai é só encomendar o caixão. Já no CRBC aceitam tudo que o PCC não quer, e são aqueles sem nenhum bom senso, são virados feras mesmo e nessa cadeia é onde o meu filho está hoje. Então acho que não quero mais esperar. Vou arriscar e vou até Brasilia de novo. Meu filho se queixa de dores na barriga e acho que ingeriu alguma substância estranha, coisa comum ali é envenenamento de preso por qualquer bobagem, só para ver o cara vomitar e estrebuchar. Bem isso é só uma pontinha do Iceberg.

27 maio 2013

Menos gaiolas, mais asas!




Finalmente, mais escolas brasileiras utilizam uma nova metodologia! Uma nova escola, para o aluno do século XXI. Na dianteira, a rede pública! Leia clicando aqui.

Conheça o Projeto Gente, da Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro, clicando aqui.

25 maio 2013

Plano Municipal de Educação de São Paulo: plenário vazio


Impressionante, a pequena participação de entidades e cidadãos à primeira audiência temática de discussão do Plano Municipal de Educação de São Paulo, na Câmara Municipal. Deu a impressão de haver um boicote...

Mas o importante é que foi dado início ao trabalho, pois o Plano já está com dois anos de atraso, e ficou claro que o PL 415/2012 precisa de muitos ajustes.

Devido ao número mínimo de profissionais presentes, não pôde ser aprofundado o principal assunto em pauta nessa data - a valorização do professor. Mauro e eu, porém, pudemos fazer diversas colocações a respeito do financiamento da educação, da gestão democrática e da qualidade da educação. Queremos, nesta primeira fase de discussão do projeto, que haja um levantamento sobre a forma como são aplicadas as verbas destinadas à manutenção e ao desenvolvimento do ensino, sobre a forma como é realizada a eleição dos Conselhos de Escola e sobre o motivo pelo qual os alunos recebem apenas 75% das aulas durante o ano letivo. A íntegra das nossas propostas você pode ver clicando neste link.

Assista aos vídeos abaixo e mande seus comentários.




24 maio 2013

Acompanhe as audiências do Plano Municipal de Educação de São Paulo!


Segue link para a audiência realizada ontem, 23 de maio, e cronograma das próximas audiências conjuntas das Comissões de Administração Pública e de Educação da Câmara Municipal de São Paulo:


Cheque o endereço de cada audiência e compareça em todas. As reuniões são abertas a todos os cidadãos e o Plano Municipal de Educação de São Paulo está com dois anos de atraso!

O EducaFórum vai participar de toda a programação e comentará as discussões. Até lá!

23 maio 2013

Fórum Municipal de Educação da Cidade de São Paulo, 20 anos cobrando educação de qualidade!


Há exatos 20 anos, neste mês de maio, foi constituído por nós, pais de alunos, o FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO, como ferramenta para cobrar educação de qualidade do poder público e garantir a participação dos pais e da comunidade na gestão das escolas. 

Já cansamos de contar esta história aqui no blog, como você pode ver, por exemplo, clicando neste link: Nós fizemos história, e daí? Por isso, levamos um susto quando fomos informados da "instalação do Fórum Municipal de Educação de São Paulo, em 8 de maio deste ano". Soubemos aliás dessa "instalação" na mesma data, 8 de maio, durante a 1ª Audiência Pública do Plano Municipal de Educação, na Câmara Municipal de São Paulo, por um representante da Secretaria Municipal, justificando a ausência do Secretário Cesar Callegari à reunião, pois estaria naquela mesma hora fundando o tal fórum... Respondemos que muito estranhamos tal "fundação", já que essa atitude havia sido tomada há exatamente 20 anos por nós mesmos, representantes da sociedade civil, pais de alunos isentos de qualquer vínculo com o poder público. Veja  abaixo o vídeo com nossos questionamentos.



O mais estranho de tudo isso é que o hoje Secretário Municipal Cesar Callegari era na época deputado estadual e caminhou em paralelo conosco na cobrança pelas verbas da educação estadual, quando o FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO provocou o Ministério Público questionando o desvio e a manipulação das verbas destinadas ao ensino, tanto em nível municipal, quanto estadual. Por isso mesmo, Cesar Callegari nos conhece bem e de longa data! Que novo fórum é esse, que surge como iniciativa governamental, quando já existe outro atuando há 20 anos, através de entidades representativas da comunidade escolar, debatendo assuntos de vital importância para a educação? Ainda aguardamos um posicionamento do hoje Secretário, pois temos a grande preocupação de que esse novo fórum possa vir a ser mais um reduto da corporação, excluindo os pais e a comunidade dos debates fundamentais que definirão o Plano Municipal de Educação!

Tem mais: no próprio dia 8 de maio, a Comissão de Educação da Câmara convidou o FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO - o nosso - a fazer uma apresentação em sua próxima reunião, que foi realizada dia 15 de maio. Comparecemos e aí está o vídeo gravado para mostrar que nossa apresentação, mesmo sendo o primeiro item da pauta, foi deixada por último, faltando 12 minutos para o início da reunião geral dos vereadores no plenário, quando seria impossível apresentar o power point com o histórico e as conquistas do Fórum nestes 20 anos.






Entendemos que houve desrespeito para conosco, mas o presidente da Comissão, vereador Reis, esclareceu que as quartas-feiras são os dias de maior movimento na Câmara, assim comprometeu-se a agendar nova data, para que o Fórum tenha ao menos meia hora para apresentar sua trajetória e propostas, que estão sendo levadas nas audiências públicas do Plano Municipal de Educação.

O que nos impressionou, no decorrer da reunião, foi a pobreza dos Projetos de Lei apresentados por diversos vereadores, alguns visando a mudança de nomes de escolas e tomando até meia hora de discussão. Pior do que isso foi a apresentação de projetos que contrariam o estado laico, por exemplo, caracterizar o culto evangélico como "patrimônio da cidade de São Paulo".

No final, os vereadores disseram que essa fora "a primeira vez" que a sociedade civil teve voz dentro da Comissão... Isto mais uma vez mostra que o Brasil é um país sem memória, pois nós do FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO já participamos de muitas e muitas reuniões da Comissão de Educação da Câmara durante os últimos 20 anos, principalmente quando a presidente era a vereadora Ana Maria Quadros, professora muito preocupada em ouvir a comunidade sobre suas demandas educacionais.

Leia, clicando neste post do Movimento COEP, nosso parceiro no Fórum, o documento entregue  por nós aos vereadores da Comissão de Educação ao final da reunião, mostrando resumidamente o histórico do FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO e as propostas que serão então apresentadas na próxima reunião a ser agendada.

O resumo desta "ópera" é que estamos voltando à estaca zero!... Teremos que iniciar novo trabalho de comunicação e cobrança da Comissão de Educação, estando sempre presentes em suas reuniões e garantindo que os assuntos em pauta sejam de real interesse da comunidade escolar. Veja abaixo uma foto que saiu na mídia, do novo fórum "chapa branca" fundado pela Secretaria Municipal de Educação. Na mesa, o Secretário Municipal Cesar Callegari, o prefeito Fernando Haddad, o Secretário Adjunto da Secretaria Estadual de Educação, João Palma, o Presidente da Comissão de Educação da Câmara, vereador Reis, e o presidente do Conselho Municipal de Educação, João Gualberto de Carvalho Menezes. 





Esclarecemos que este EDUCAFÓRUM foi criado no ano 2000 a partir da revolução tecnológica, sendo um "filhote virtual" do FÓRUM MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DA CIDADE DE SÃO PAULO. Através do e-mail educaforum@hotmail.com passamos a receber denúncias e pedidos de esclarecimentos de pais e alunos, não apenas de São Paulo, mas de todas as regiões do Brasil. Entretanto, nossa atuação mais forte é mesmo em São Paulo, levando as reivindicações de pais, alunos e comunidade para as Secretarias Estadual e Municipal da Educação, cobrando providências. E agora, a partir do dia 8 de maio, estamos presentes às discussões do Plano Municipal de Educação de São Paulo.

IMPORTANTE: a próxima audiência pública sobre o Plano Municipal de Educação de São Paulo é hoje, às 19:00, veja abaixo a chamada. O tema é FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO. Procure comparecer: todo cidadão tem livre acesso à Câmara Municipal de São Paulo! Se não puder ir, assista a transmissão ao vivo pela internet no site da Câmara: http://www.camara.sp.gov.br/

COMISSÃO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Data: 23/5/2013
Hora: 19:00 hs
Local: Plenário 1º de Maio - 1º andar
Endereco: Viaduto Jacareí, nº 100 - Bela Vista - CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO - PALÁCIO ANCHIETA

PL 415/2012 - Autor(es): GILBERTO KASSAB
aprova o plano municipal de educação da cidade de são
paulo para o decênio 2011-2020

21 maio 2013

Aluno de 6 anos suspenso por mau comportamento e "hiperatividade"



Temos nos empenhado em evitar a expulsão de muitas crianças da rede particular, procedimento que está  muito em alta. Leia alguns casos anteriores clicando aqui.

Desta vez é um menino de 6 anos que recebeu a pecha de hiperativo e uma suspensão, além de a mãe ter precisado contratar uma psicóloga. Não se trataria porém de TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção com Hiperatividade), pois ele não tem problemas de atenção.

Leiam abaixo a mensagem recebida da mãe do menino:

Boa noite, hoje, meu filho de 6 anos, que frequenta o 2º ano do fundamental, chegou com uma suspensão, devido reincidência de mal comportamento, mas não é nada grave, bagunça de criança. Gostaria de saber da legalidade da suspensão, se a escola pode suspender uma criança de 6 anos, que nem tem a menor idéia do que é uma suspensão. A escola também pediu a visita da psicóloga do meu filho, a qual visitou a escola na semana passada e passou (a pedido da escola) algumas dicas, para juntas direcionarem o tratamento melhor ao meu filho, visto que ele é uma criança hiperativa, sem déficit de atenção, (aliás ele é superdotado, com laudo de psicóloga). Tudo isso ficou bem claro no início do ano, quando fiz a matricula dele, a escola se prontificou a ajudar e a fazer a diferença no ensino e tratamento ao meu filho, mas, até agora, não vi nada disso...

Sugerimos a essa mãe - como aliás sempre fazemos nesses casos - que tire imediatamente seu filho de uma escola engessada e burra, que não sabe valorizar e muito menos aproveitar a inteligência do aluno. O próximo passo, a gente sabe, é a expulsão.da escola, um risco que não vale a pena correr.

Ainda bem que essa mãe percebeu a inércia da escola e a tendência de transferir toda sua responsabilidade para a família! Isso é raro, pois em muitos casos elas ficam apavoradas com as exigências da escola e se preocupam em cumpri-las todas...

Essa questão da "hiperatividade" na infância brasileira está muito mal pesquisada e estudada. Leiam clicando aqui reportagem sobre um estudo que mostra o baixíssimo índice de hiperatividade das crianças francesas: menos de 0,5%, quando as crianças americanas diagnosticadas com TDAH somam 9%. Não há dados sobre a realidade brasileira, mas certamente estamos muito mais próximos dos EUA do que da França! A média de 0,5% de hiperatividade para as crianças francesas é confiável, trata-se de estudo e não de achismo, como muitos (que nem leram a matéria) querem afirmar. 

O uso da ritalina na medicação de crianças é muito antigo no Brasil. Há uns dez anos parecia que a ciência tivesse chegado à conclusão de que as variações da disfunção cerebral seriam algo normal nos indivíduos, como a cor dos cabelos ou dos olhos. De uns anos para cá, porém, o diagnóstico de hiperatividade e o uso da ritalina em crianças  aumentou enormemente no Brasil. Este assunto precisa ser ainda bastante discutido e estudado, e as escolas têm que parar de expulsar alunos inquietos, principalmente porque, na maioria dos casos, a causa são aulas maçantes e repetitivas, principalmente nos primeiros anos do Ensino Fundamental.

13 maio 2013

Ainda sobre a 1ª audiência pública do PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO


Dando continuidade ao assunto, segue o link para o vídeo editado pelo Mauro:
http://movimentocoep.ning.com/profiles/blogs/plano-municipal-de-educacao-de-sao-paulo-sera-que-agora-vai

Assista também ao convite dos vereadores da Comissão de Educação da Câmara para a apresentação do Fórum Municipal de Educação em sua próxima reunião ordinária, dia 15 de maio. Nada mais justo, já que a Comissão de Educação foi a primeira instituição procurada pelo Fórum na época de sua constituição, há exatamente 20 anos, neste mês de maio. O EducaFórum é um "filhote virtual" do FMESP: ele surgiu no ano 2000 junto com a explosão digital e ampliou sua atuação, dando apoio a pais e alunos de todas as partes do Brasil, via Internet.

COMPAREÇA: Quarta-feira, dia 15 de maio, às 14:00, na Comissão de Educação da Câmara
Municipal de São Paulo - Viaduto Jacareí, 100 - Centro (saída do Terminal Bandeira)

A Comissão de Educação é suprapartidária, ou seja, constituída por vereadores de partidos diferentes, por isso é a instância ideal para discutir assuntos educacionais e cobrar atitudes!


10 maio 2013

Transalfabetização: o futuro é agora




Muito interessante entrevista com a doutora em meios de comunicação francesa Divina Frau-Meigs, para entender melhor a questão da alfabetização digital: Veja este trecho:

Os estudantes acreditam que sabem tudo, a partir de sua perspectiva de lidar com computadores e tablets. E os professores dizem que se os alunos tiverem bons conhecimentos para ler e escrever é suficiente. É necessário romper essas resistências com sensibilização, em aulas práticas. Por exemplo: peço aos alunos que procurem toda informação que precisam para seus projetos. Eles respondem: “há milhões de dados, não sei por onde começar”. Ensinar a eliminar, avaliar, qualificar, assessorar, mudar, esse é o papel da escola. É uma maneira de aprender a aprender, que é o que devemos voltar a colocar no centro do projeto curricular.

Leia a entrevista completa clicando no link:
http://movimentocoep.ning.com/profiles/blogs/a-escola-necessita-se-transalfabetizar


09 maio 2013

Durante a discussão do PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO...

Se você tiver lido o último post, sobre a 1ª Audiência Pública referente ao PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SÃO PAULO, ficou sabendo que ela foi organizada pela Comissão de Administração Pública da Câmara Municipal e que, no mesmo horário, a Comissão de Educação estava reunida em outro plenário, em andar diferente. Tivemos então que nos dividir: eu fiquei na audiência sobre o PLANO DE EDUCAÇÃO, no 1º andar, e o Mauro subiu ao 8º andar, para acompanhar a reunião da Comissão de Educação, cuja pauta incluía a discussão de nada mais nada menos que 12 Projetos de Lei!

Os nobres vereadores não gostam de ser criticados - quem gosta? - mas não tem como se achar suficiente uma audiência para discutir, aprovar ou rejeitar 12 Projetos de Lei ao mesmo tempo... Aliás, cada projeto precisa de pelo menos duas audiências antes de ser aprovado ou arquivado. 

Leiam o excelente relato do Mauro sobre sua participação nessa audiência da Comissão de Educação clicando aqui e assista também aos dois vídeos gravados durante a reunião.

Ficou muito claro que é impossível a discussão adequada de 12 projetos de lei numa mesma audiência pública, não é mesmo? Alguns desses projetos, inclusive, são importantes, enquanto outros "chovem no molhado" ou representam interesses escusos. De tudo isso, fica a clara decepção com a falta de  discussão profunda dos projetos, dentro da própria sociedade!

Amanhã vou publicar novo post sobre a audiência referente ao PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, onde reencontrei antigos colegas de luta de outros "carnavais" e estou muito feliz de que ainda estejam fazendo um trabalho importante na área educacional.

Plano Municipal de Educação de São Paulo - Será que agora vai?

Um assunto tão importante como o Plano Municipal de Educação não chama a atenção da sociedade e assim também da mídia... Isto é Brasil!

E por que um Plano Municipal de Educação seria importante?... 

Durante as últimas 5 gestões municipais, aqui em São Paulo, a qualidade do ensino tem rolado ladeira abaixo. Isto, aliás, não é problema apenas do município de São Paulo, mas da maioria dos municípios, dos estados brasileiros e até do governo federal. E o segundo principal motivo - sendo o primeiro a falta de vontade política  - é justamente a falta de PLANOS DE EDUCAÇÃO, em todos os níveis governamentais. 

Trocando em miúdos: nos municípios e estados que ainda não possuem um PLANO DE EDUCAÇÃO, ou seja, NA MAIORIA ABSOLUTA DOS MUNICÍPIOS E ESTADOS BRASILEIROS, entra-governo, sai-governo, cada um faz o que quer e tudo fica como está. Ou seja, no marasmo! 

O PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, PNE, está indo mais rápido e já está no Senado Federal para aprovação.

Bem, esta introdução foi para informar que estivemos, hoje (já ontem, 08/05), na Câmara Municipal de São Paulo, para participar da primeira Audiência Pública sobre o PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO. Este assunto vai longe e vamos desdobrá-lo em diversos posts. Por enquanto, fiquem com o documento que protocolamos e lemos no plenário. Vejam também a matéria que saiu no Portal da Câmara e leiam o projeto do Plano - PL 415/12 


EducaFórum
Pais, Alunos, Educadores e Cidadãos que lutam pela Escola Pública e pela Cidadania

São Paulo, 08 de maio de 2013

AOS NOBRES VEREADORES DAS COMISSÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DA EDUCAÇÃO, DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO, por ocasião da 1ª AUDIÊNCIA PÚBLICA sobre o PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, PL 415/12.


Prezados Sr. Vereadores,

Aqui estamos, representantes de pais de alunos, para esta importante discussão que, infelizmente, já está muito atrasada, pois se refere ao decênio 2011 – 2020. Também lamentamos que a elaboração do PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, PL 415/12, tenha sido realizada e discutida no gabinete do ex-Secretário Municipal da Educação, um espaço inadequado, junto com os sindicatos da corporação e ongs convidadas, sem a presença de representantes de pais de alunos.

Também lamentamos que esta primeira Audiência Pública sobre o PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO não seja prestigiada pelos nobres vereadores da Comissão de Educação, que dificilmente estarão presentes, pois consta no mesmo horário outra Audiência Pública da Comissão de Educação, que discutirá 12 assuntos também da área educacional. Mas perguntamos: qual assunto poderá ser mais importante do que o PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO?

Lemos com atenção o PL 415/12 e queremos nos posicionar com respeito a alguns pontos, já que certamente não teremos direito a fala muito longa, por isso pretendemos ler este documento no plenário.

Entre as diretrizes do PME, o item FORTALECIMENTO DA GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO consta em último lugar, o que não estranhamos, dado o autoritarismo do sistema vigente. Não aceitamos essa última posição, para um item tão importante! É de conhecimento público que a eleição dos Conselhos de Escola, nas redes municipal e estadual, costuma ser “realizada” através de nomeação, a dedo, dos representantes de pais de alunos, por parte da direção da escola. As reuniões de Conselho costumam ser agendadas sempre em dias e horários que dificultem a participação dos pais, que, aliás, dificilmente são avisados a tempo da reunião, manobra que tende a deixar a deliberação dos assuntos à mercê da direção e dos profissionais da escola. O desprezo pelos pais e responsáveis é uma constante na rede pública de ensino e se reflete nesta mesma Audiência Pública, agendada em dia e horário ao qual os pais de alunos não podem estar presentes, pois não recebem dispensa de ponto em seu trabalho profissional.

O tópico INCLUSÃO merece ser ampliado na discussão, pois o atual sistema educacional, além de não ser inclusivo, EXCLUI todo ano milhares de alunos, expulsos a rodo das escolas, principalmente das redes estadual e – pasmem! - particular, como pode ser lido em diversas matérias de nosso blog, por exemplo esta última:
http://educaforum.blogspot.com.br/2013/05/mais-um-aluno-de-5-anos-expulso-da.html

Estranhamos a “OFERTA DE ESTUDOS DE RECUPERAÇÃO CONTÍNUA E PARALELA, QUANDO NECESSÁRIO”. Como assim, quando necessário??? A avaliação continuada e a recuperação paralela dos alunos são PRIORIDADE ABSOLUTA e a falta dessas práticas levou justamente ao fracasso da Progressão Continuada, que funcionou muito bem durante a gestão Paulo Freire/Mário Sérgio Cortella, mas foi desprezada nas gestões seguintes, tanto na rede municipal, quanto estadual.

Uma enorme preocupação que temos, enquanto pais de alunos, é a questão da AULA VAGA, que costuma consumir 30%, 40% ou mais horas/aula do ano letivo. Essa questão precisa ser incluída e discutida no plano!

A OFERTA DE MATERIAL DE APOIO PARA SUPERAÇÃO DAS DIFICULDADES DOS ALUNOS começa com a organização da biblioteca da escola. Como acreditar na oferta de equipamentos e recursos tecnológicos, se a maioria das escolas não tem ao menos uma biblioteca FUNCIONANDO?

Como acreditar na eficácia dos CURSOS DE EDUCAÇÃO PARA JOVENS E ADULTOS, se as escolas nem ao menos permitem a entrada do adulto trabalhador na segunda aula e não lhe fornecem merenda, quando a maioria chega esfomeada na escola?

Tópico superimportante é o da OFERTA DE CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS. Queremos aproveitar esta oportunidade para denunciar um dos mais graves crimes cometidos pelo Governo Federal no final da década de 90, que foi a extinção dos Cursos Técnicos Integrados ao Ensino Médio, justamente quando fizemos campanhas pedindo sua ampliação!!! Esse crime é o responsável por várias gerações de adolescentes que têm sido obrigados a cursar um ensino médio de péssima qualidade e sem qualquer perspectiva de futuro!

Esperamos que todos os assuntos acima, do interesse específico dos pais e responsáveis pelos alunos da rede pública de ensino – e também da particular – sejam devidamente discutidos. Vamos inclusive cobrar o posicionamento dos nobres Vereadores e dos atuais Secretários Municipal e Estadual da Educação.

Atenciosamente,

EducaFórum

Giulia Pierro – Vera Vaz – Cida Gomes – Cremilda Teixeira – Caroline Miles – Paula Carvalho – Mauro Alves da Silva
NAPA, COEP, MOV. IDEAMOS, PAISONLINE, NEPPAL, MEP, CONSABESP

06 maio 2013

Mais uma aluna de 5 anos expulsa da escola "por TDAH"

Quando dizemos que o maior problema da educação brasileira não é a qualidade do ensino, chovem críticas. Pior ainda, quando ousamos apontar problemas da escola particular.

Este blog é um retrato da educação brasileira do ponto de vista dos pais de alunos, sejam da rede pública ou particular. Recebemos mensagens de pais das duas redes e de todos os cantos do país, portanto, o que trazemos aqui é real. O que se pode dizer é que é impossível medir toda a dimensão dos problemas, porque os pais de alunos, assim como os brasileiros em geral, não têm o hábito de por a boca no trombone, portanto, a situação é certamente muito mais crítica do que se apresenta.

Segue mensagem sobre a expulsão de mais uma aluna de escola particular, com apenas 5 anos de idade. Entre muitas outras mensagens, lembramos aquela sobre um menino ainda mais novo, com 4 anos, que conseguimos convencer a mãe a retirar da escola, antes que fosse sumariamente expulso. Leia esse caso anterior clicando aqui. O caso atual, porém, foi de expulsão pura e simples, irrevogável e, ainda por cima, comunicada à mãe na frente da própria criança, pela "coordenadora pedagógica" da escola! Leia a mensagem da mãe:

Olá, minha filha tem 5 anos, estuda em uma escola particular, tem tdah e está fazendo todo o tratamento direitinho, mas foi expulsa da escola por ter um comportamento difícil, segundo a coordenadora da escola. Ela disse tudo na frente da criança. O que posso fazer nesse caso? Por favor, me ajudem!

Nossa resposta: 

Sandra, mais uma vez constatamos a falta de preparo das nossas escolas, públicas ou particulares! Hoje, "comportamento difícil" é motivo de expulsão e isso devemos à mídia, que divulga os bordões preferidos dos sindicatos da "educação", martelados em nossas cabeças até essa lavagem cerebral vencer o nosso senso crítico: "Hoje em dia, o professor é obrigado a educar os filhos dos outros"; "Os alunos de hoje são indisciplinados, violentos, perigosos"; "Hoje, professores e alunos correm perigo dentro da escola, devido à prática do bullying". 

Essa coordenadora, além de demitida por sua incompetência, mereceria ser processada, ela não teve nem mesmo o cuidado de poupar uma criança de 5 anos do trauma de ser expulsa da escola!

O que fazer? Procurar uma escola que acolha sua filha! Acredite, são poucas mas existem. Informe a cidade onde você se encontra, vamos ajudar a procurar. Um abraço!


Essa expulsão a rodo de alunos da rede particular pode ter tudo a ver com a moda de rotular as crianças com alguma "psicopatologia". Assista a esse preocupante vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=k4T4DZux6hk