28 abril 2006

Um dia triste!

Do blog http://cremilda.blig.ig.com.br

Hoje é o DIA DA EDUCAÇÃO. Nossos pêsames. Só temos a lamentar hoje. São Paulo, tido como a locomotiva do Brasil, tem na educação sua ferida exposta. Um estado onde as escolas tidas como de excelência tiram nota 4. Um pais que reprova mais que as regiões mais pobres do planeta, a África. Nós somos mais miseráveis que eles em educação. Se a educação é o que determina o progresso de um pais, o Brasil, mergulhado na miséria moral e no analfabetismo, não tem nada para comemorar. Um pais onde a corporação é a prioridade, deixando os alunos ao Deus dará, sujeitos a uma escola medíocre e corrupta. Uma escola onde a impunidade e a injustiça são a tônica e a constância. Se precisamos educar os jovens para não punir os adultos, nós fazemos o contrário, abandonamos a infância e confinamos os adolescentes atordoados em Febens. Nossos melhores futuros homens, os jovens contestadores, os rebeldes e os lideres, a escola não quer. Vão procurar vaga na criminalidade. Um pais onde a falta de vagas na escola é uma chaga dolorida e vergonhosa. Um direito elementar substituído por três vagas garantidas logo que o pobre nasce. Em S. Paulo: uma na Febem, outra nas Penitenciarias do Estado e outra nas valas comuns dos cemitérios públicos. Esse é o triste balanço no DIA DA EDUCAÇÃO. QUE PENA!!!!!!

enviada por Cremilda

27 abril 2006

A diferença entre escola pública e privada


Do blog Leopoldina como ela é

Na Folha de São Paulo de 24/4, no artigo Educação: tentando sair do discurso, de José Aristodemo Pinotti, há um trecho que diz:

"O resultado do aprendizado é cada vez melhor nas escolas privadas, e pior nas públicas (Saeb). É difícil explicar esse abismo somente pelo que acontece dentro da escola (até os professores são os mesmos)."

Elementar meu caro Pinotti, pois nas escolas privadas os professores são trabalhadores como outros mortais, se não forem competentes e responsáveis ou não se esforçarem, perdem o emprego, enquanto nas escolas públicas eles têm imunidade total, podem abusar, fazer greve todos os anos, faltar, tirar infindáveis licenças, dar aulas insípidas, praticar maus-tratos com os alunos e não sofrem nem mesmo uma repreensão, porque as autoridades teimam em tratar professores como seres superiores, acima de qualquer suspeita. Como um sistema assim pode funcionar? O resultado só pode ser o que todos conhecemos: fracasso escolar.


Escrito por Glória

22 abril 2006

Pratafórmica do Seu Creysson 3

Eça ôtra sugestaum veio do Xuí:

Proméçia 4
É craro que vô mantê tudo que é feriádio, as ponte e as licênçia, açim o professôrio naum precísia fazê grévia! Nas áulias sem professôrio, os alúnios póde levá pra escólia barálio, dominó, gibi e revístia. As garôtia vaum levá Contíguio e os molékio vaum levá Preybói. Isso é o pograma de educaçaum sexuália do Seu Creysson, ókeyo?

DISPOIS DO PRESIDÊNTIO OPERÁRICO, XEGOU A VEIZ DO MINÍSTRIO ANAUFABÉTICO!

21 abril 2006

Finalmente, pais na rua!


O Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, cujos alunos amargaram uma greve de 100 dias no ano passado, está sendo ameaçado por nova greve. O primeiro sintoma é uma paralização dos servidores, marcada para o próximo dia 26/04 e deliberada por uma assembléia de - pasmem! - apenas 19 profissionais. Os pais do Pedro II não dormiram de touca e estiveram presentes à tal assembléia dos servidores, o que permitiu criar uma estratégia de repúdio a essa paralização irresponsável. Fique de olho no Ato Público marcado pelos pais, na mesma data da paralização:

AULA PÚBLICA CIDADÃ
dia 26/04, a partir das 7:00,
em frente à unidade centro do
Colégio Pedro II
Av. Mal. Floriano 80 - Centro.

Num país onde os problemas da educação são varridos para debaixo do tapete, a única solução é os pais e alunos saírem para a rua e denunciarem descalabros como esse. O ato AULA PÚBLICA CIDADÃ faz parte da campanha A EDUCAÇÃO É ESSENCIAL E NÃO PODE PARAR, criada pelos pais durante a greve dos 100 dias. Os pais do Colégio Pedro II criaram também uma comunidade no Orkut, EDUCAÇÃO É ESSENCIAL, e continuam ativos através de seu blog http://paisconversandocp2.blig.ig.com.br

Esperamos que haja presença maciça ao Ato Público do dia 26/04 e que a mídia dê o devido respaldo, fazendo no mínimo o seu dever: divulgar o ato, certamente mais importante do que o lançamento da marca Daspu, que tomou conta dos jornais durante toda a semana...

18 abril 2006

Assim funciona o esquema!


Recebemos mais uma mensagem da Nilza, contando claramente como aconteceu a expulsão de seu filho, aluno de 8ª Série de uma escola no interior do Estado de São Paulo. Veja como o esquema é perverso!

A DIRETORA CHEGOU A MARCAR A DATA DA REUNIÃO DO CONSELHO, MAS PEDIU PARA IRMOS CONVERSAR. CHEGANDO LÁ, ELA DISSE QUE DESISTIRIA DO CONSELHO SE ASSINASSE A TRANSFERÊNCIA.
COMO ELA DISSE QUE O CONSELHO SERIA MUITO CONSTRANGEDOR E NÃO RESOLVERIA, POIS ELA NÃO QUERIA ELE MAIS NA ESCOLA DELA, NÓS ASSINAMOS A TRANSFERÊNCIA.
ACHAMOS UMA VAGA EM UMA ESCOLA UM POUCO DISTANTE E, SEGUNDO O DIRETOR, GRAÇAS AO FATO DE MINHA IRMÃ TER TRABALHADO NA MESMA VÁRIOS ANOS.
ELE FICOU VÁRIAS SEMANAS SEM IR À ESCOLA , SEM AMIGOS NA NOSSA RUA, E JÁ COMEÇOU A ANDAR COM UMA TURMA SUSPEITA.
O DIRETOR, QUANDO FUI COM ELE FAZER A MATRÍCULA, NOS RECEBEU MUITO NERVOSO, DISSE QUE JÁ SABIA DE TUDO QUE TINHA ACONTECIDO NA OUTRA ESCOLA, E QUE QUALQUER COISA QUE ELE FIZESSE, TERIA O MESMO DESTINO.


Nilza, mande todas as informações possíveis, pois você FOI OBRIGADA a assinar a transferência. Seu filho foi vítima de um esquema sórdido e ILEGAL. Encaminharemos o caso às autoridades e esperamos que elas tomem providências contra a discriminação que seu filho sofreu nas duas escolas.

17 abril 2006

Conselho expulsa: alguém duvida?


Muitos duvidam que os Conselhos de Escola expulsem alunos, pois as atas das reuniões nunca mencionam este assunto. Muitas vezes fala-se em "transferência do aluno solicitada por ele mesmo ou pelos pais"...
Vejam a mensagem recebida hoje de Nilza:

Gostaria de saber como funciona o Conselho de Escola para expulsão do aluno. Quem deve participar, se ele tem direito a defesa, etc.

Nilza, a expulsão de um aluno é SEMPRE ILEGAL. O Conselho de Escola não pode se sobrepor à Constituição, que garante escola pública e gratuita PARA TODOS e ao Estatuto da Criança e do Adolescente, que garante a todos IGUALDADE DE CONDIÇÕES DE ACESSO E PERMANÊNCIA NA ESCOLA. Uma reunião de Conselho de Escola "para expulsão de aluno" precisa ser imediatamente suspensa em nome da legislação, registrando em Ata o motivo da suspensão da reunião. Se a direção da escola insistir em convocar nova reunião ilegal de Conselho para expulsão de aluno, deve-se denunciar o fato à Ouvidoria da Educação local.

Um professor, um diretor de escola ou até uma equipe docente que resolvem expulsar um aluno da escola mostram não ter a mínima noção de cidadania: o aluno expulso poderá entrar para a marginalidade ou mudar para uma escola próxima e ser discriminado até abandonar definitivamente os estudos. Que profissionais da educação são esses???

Monalisa sem explicação


A aluna Monalisa enviou a seguinte mensagem:

Queria saber se existe uma lei que proibe o professor de passar uma lição importante quando falta mais da metade da sala de aula. Por favor, me respondam rápido pois o meu professor se recusa a explicar novamente, mas só tinham tres pessoas na sala e ele explicou só pra tres pessoas.

Não, Monalisa, ninguém pode proibir ao professor de dar uma aula num determinado dia, da mesma forma que ninguém pode obrigar o aluno a ir para a escola naquele mesmo dia. Aliás, é para isso que serve o professor! Mas é uma questão de bom senso ele entender que precisa transmitir os mesmos conhecimentos para todos os alunos. Está no Estatuto da Criança e do Adolescente: "Igualdade de condições para todos". É uma pena que certos professores aproveitem esse tipo de situação para mostrar sua arrogância e descaso. Infelizmente, são poucos os professores que gostam de sua profissão e do que ensinam, por isso acabam descontando suas frustrações nos alunos. Se gostassem, teriam prazer em explicar e em ver seus alunos aprender, não tomariam atitudes como essa, meio infantil, não é?

16 abril 2006

Pratafórmica do Seu Creysson 2

Xegô mais sujestaum, éça veio do Chingó. Eu axei déiz, mais péçio sua opiniaum:

Proméçia 3
O unifórmio do alúnio vai ser o mais brasilerio puçíveu: xinélio havaiânio com bandierinha verdi-amarélia, as garôtias com camisêtia da Chucha e os molékios com camisêtia do Peléio. A Chucha e o Peléio vaum dá as camisêtia de presêntio e o Robértio Cárlios vai dá os xinélios. Isso é o pograma de justíçia soçiau do Seu Creysson!

DISPOIS DO PRESIDÊNTIO OPERÁRICO, XEGOU A VÊIZ DO MINÍSTRIO ANAUFABÉTICO!

15 abril 2006

Pais se organizam na Bahia!

Recebemos mensagem de Luiz Alberto Souza Oliveira, de Alcobaça, na Bahia, informando a criação de mais uma associação de pais - independente e apartidária, com o objetivo de zelar pelos direitos dos alunos e lutar por um ensino de qualidade. Luiz pediu dicas e recomendamos visitar os nossos sites amigos, especialmente o PaisOnline, que contém todo tipo de informação, desde denúncias até legislação, além do excelente formulário de registro das "aulas vagas". Muito boa sorte, pais de Alcobaça, nós de Sampa estamos torcendo por vocês! São os pequenos municípios que formam as bases deste País. Procurem estar sempre bem fundamentados em suas denúncias, pois a informação e a sensatez é que garantem credibilidade.
Procurem também participar da comunidade que nossos amigos do Colégio Pedro II do Rio de Janeiro criaram no Orkut: EDUCAÇÃO É ESSENCIAL. O Brasil é um só e ainda precisa ser unificado, pelo menos na área da educação.


Aguardamos novas notícias e um abraço!

A escola e a cegueira humana

Do blog Leopoldina como ela é

Se podes olhar, vê. Se podes ver, repara - Livro dos Conselhos

O grande estudioso e crítico da Educação brasileira, Lauro de Oliveira Lima, escreveu o livro Para que servem as escolas, no qual o autor mostra o quanto a escola se distanciou do seu objetivo de ser, acima de tudo, um bom lugar para os alunos.

A escola virou um prédio cheio de crianças com a única finalidade de empregar um monte de gente que detesta criança. O que mais intriga é saber desta realidade, ela ser exposta por um grande nome como Lauro de Oliveira Lima e tudo continuar igual indefinidamente, sem perspectiva de mudança.
Leia completo

http://leopoldina.zip.net/

13 abril 2006

Ouvindo o Zé falar - Educação NA Cidadania

Quando José Pacheco explica as coisas com uma infinita candura dura tudo parece ficar muito claro... Divido com vocês esse prazer! Aqui e no educaforum - os textos hoje é dia de José Pacheco falar. Confiram!
__________________________________
"Preocupa-me que haja professores que não consigam ensinar. Mas preocupa-me ainda mais o que ensinam. Ainda que de tal possam não ter consciência, transmitem valores. E, em função do deu sistema de crenças e valores, vão impregnando os alunos de solidariedade ou umbiguismo, de autonomia ou conformismo. Já dizia o Jung que, por força destes desmandos, todos nascemos originais e morremos feitos cópias...
Já deparei com personalidades moldadas numa concepção imutável de sociedade. Mas também conheci professores que consideravam ser possível prever a evolução das dinâmicas sociais e o modelo de cidadão adulto, vinte anos após a “formatação” cívica operada pela escola. Amiúde, leio em manuais escolares a expressão “educar para a cidadania”. Se bem entendo o sentido da frase, tratar-se-á de moldar o indivíduo numa lógica de sequencialidade regressiva, treinando-o, agora, para um posterior desempenho social, que se crê, por sua vez, ajustado a um determinado modelo de sociedade futura. Exactamente no estilo do faz-de-conta-que-já-somos-para-sermos-quando-formos, que acaba sendo um exercício que é fim em si próprio.
A educação será para a cidadania ou na cidadania? Não se trata de uma subtil diferença ente a palavra na e a palavra para. A primeira ser contracção de preposição e artigo e a segunda se apresentar como preposição simples são questões de somenos importância. Importante é o espírito da coisa, pelo que prefiro a expressão “educar na cidadania”, no hic et nunc do drama escolar. Fazemo-nos no que fazemos. Aprendemos cidadania, como tudo o resto, no devir que já somos no aqui e agora. Mas onde estão os espaços de exercício de uma liberdade responsável? Se nem os professores a exercem, como poderão ensiná-la? Assim como é absurdo pensar que, nas universidades, se ensine “métodos activos” em aulas caracterizadas pela passividade, também é inútil pensar que a cidadania pode ser ensinada em aulas expositivas amaciadas pela análise de dilemas, ou por via de discursos de moralidade duvidosa e eficácia nula. Não vamos lá com sermões…
Há escolas onde tudo é negação da cidadania. Nessas escolas, a solidão dos professores é da mesma natureza da solidão dos alunos, que passam de sala em sala, no ritmo pautado por uma campainha, e deparam com professores afáveis ou permissivos, uns exigentes, outros autoritários (para estes, parafraseando a Patrícia, o ser humano é nada, somente as regras são importantes e devem ser seguidas a qualquer preço). Não saberão que a cidadania, como a pedagogia, se aprende a par e é exercida com os outros? Se os professores estão sozinhos, encerrados em salas de aula, entregues às suas certezas e disfarçando angústias, que espaços de exercício de cidadania as escolas disponibilizam? "...
____________________________
Para ler o texto completo http://www.apagina.pt/arquivo/Artigo.asp?ID=4514

12 abril 2006

Educaçaum no Orkútio!


Finaumentis uma boa discuçaum sobre educaçaum no Orkútio! Eu, Seu Creysson, candidátio a minístrio analfabético, recomêndio sua participaçaum e aguárdio seus paupítios para minha pratafórmica.

Se voçê naum é sóçio do Orkútio, manda i-meio pra nóis e vai reçebê um convítio, totaumentis di grátis!

Se voçê é sóçio, a comunidadis xama

EDUCAÇÃO É ESSENCIAL.

Boa sortis!
Pódis crê: é Creysson na cabêçia!

DISPOIS DO PRESIDÊNTIO OPERÁRICO, XEGOU A VÊIZ DO MINÍSTRIO ANALFABÉTICO!

10 abril 2006

A bola da vez


A bola da vez: Escola Estadual Rui Bloem

Do site da Cremilda, http://cremilda.blig.ig.com.br

Recebemos denúncias dando conta de que a Escola Estadual Rui Bloem (Bairro de Vila Mariana, zona sul da Capital de SP) impede a entrada de alunos que estejam sem o uniforme.
Para refrescar a memória dos professores e da direção da escola:

Lei Estadual Nº 3.913, de 14 de novembro de 1983

Proíbe aos estabelecimentos oficiais de ensino a cobrança e contribuições que especifica e dá outras providências

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO
Faço saber que a Assembléia Legislativa decreta e eu promulgo a seguinte lei:
Artigo 1º – Aos estabelecimentos oficiais de ensino do Estado fica proibido:
I – cobrar taxa de matrícula;
II – exigir contribuição pecuniária para a Merenda Escolar;
III – locar dependências do prédio, no todo ou em parte;
IV – cobrar material destinado a provas e exames; 1ª via de documentos, para fins de transferência, de certificados ou diplomas de conclusão de cursos e de outros documentos relativos à vida escolar;
V – instituir o uso obrigatório de uniforme;
VI – vetado
VII – exigir qualquer outra forma de contribuição em dinheiro.
Artigo 2º – Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação.
Palácio dos Bandeirantes, 14 de novembro de 1983.
ANDRÉ FRANCO MONTORO

Postado por: Mauro A. Silva

Quantas e quantas vezes ainda será necessário repetir essa ladainha?...
Aliás, saindo um pouco do assunto “uniforme”, como ficam as escolas que alugam salas “vazias” para cursos de informática, de línguas ou até de costura?... Será por isso que faltam vagas para alunos da própria rede?
E como ficam as escolas públicas que alugam sua cantina, em vez de servir merenda aos seus alunos?...
É claro que essas negociatas são apresentadas para a comunidade escolar como formas de “arredondar” as “pobres” verbas que as escolas recebem. A verdade é que as contas das escolas, onde costuma faltar até papel higiênico, nunca são apresentadas à comunidade com transparência.

Muitas escolas, não apenas em São Paulo, são verdadeiros mercados-persas, às barbas ou com a conivência das delegacias de ensino. Essas irregularidades poderão acabar somente quando as OUVIDORIAS da Educação forem DESVINCULADAS da rede de ensino!!! Por enquanto, elas são apenas SURDORIAS. Alguém espera que professor denuncie professor???...

09 abril 2006

Sobre a escola particular

Para os que ainda acreditam que a solução na educação está em privatizar o ensino, publicamos em nossa seção de textos a letra da música Estudo errado, de Gabriel o Pensador. Gabriel é um dos poucos cérebros pensantes neste País. Filho da jornalista Belisa Ribeiro (que se envolveu no governo Collor, argh!!), sempre estudou em escolas particulares, mas não se furtou ao convívio dos favelados vizinhos ao seu apartamento, no Rio de Janeiro. Como sabemos, no Rio basta atravessar uma rua para dar com a favela. A maioria dos que "moram bem" não se mistura com os favelados, considerados infelizmente todos marginais. Gabriel convidava os garotos da favela para jogar bola com ele na praia, aquele "lugar comum" onde todos são iguais. De lá para cá, através de seus raps, Gabriel deu voz ao favelado, ao inconformado, ao cidadão e também, de forma irônica, ao corrupto e ao "filhinho de papai". A música Estudo errado fala justamente de um garoto classe média, aluno de escola particular, que estuda apenas para passar de ano e satisfazer aos pais, no sentido de manter sua mesada e mordomias. Esse texto é um exemplo de como a escola, seja pública ou, neste caso, particular, é a "castradora das vocações", como dizia o saudoso Plínio Marcos. Nós, que acreditamos na escola pública como a forma de democratizar este país ainda mergulhado no autoritarismo, vemos na escola particular o principal instrumento de manutenção das distâncias sociais. Através da lavagem cerebral feita no aluno - ser sempre o melhor, o mais inteligente, o primeiro da classe - procura-se elitizar a sociedade e discriminar o "resto" da população. Curta Estudo errado e procure ouvir outras músicas de Gabriel o Pensador, como Astronauta, onde ele abandona a ironia para entrar num lirismo sensível e tocante.

08 abril 2006

Pratafórmica do Seu Creysson

Depois de tantos anos tentando mostrar os absurdos da educação pública do Brasil de forma séria e documentada, apresentando soluções práticas e viáveis em nosso site, resolvemos apoiar a nomeação do Seu Creysson a Ministro da Educação, seja lá qual for o novo presidente eleito. Não é a primeira vez que Seu Creysson se candidata a um cargo público. E se trata de um candidato forte, pois estamos tão cansados de promessas mentirosas e ridículas, que a aposta no ridículo autêntico é muito promissora. Assim, quem sabe, a importância do assunto finalmente saltará à vista. Ah, a coisa mais interessante é que o Seu Creysson está convidando os eleitores a enviar sugestões para completar sua plataforma. Envie seu e-mail para educaforum@hotmail.com e poderá ter a agradável surpresa de sua sugestão ser incluída na plataforma do candidato, que será publicada oportunamente neste blog. Mas corra: as promessas do Seu Creysson serão apenas dez!

Discúrsio de candidátio:

Eu, Creysson da Çílvia, mêmbrio do partídio Çociau, estou elaborândio minha pratafórmica como minístrio da educaçaum no Brasiu. Estou ciente do bisúrdio que aconteçe nas escólias, sei que as áulias çaum pouca e ruim, que o professôrio naum liga pro alúnio, que o alúnio num güenta o professôrio eticéterio. Eu promêtio solucioná todos os pobrema no primeirio ânio do meu mandátio de uma tacádia só. Pódis crê, é Creysson na cabêçia!

Proméçia 1
O professôrio que xama o alúnio de bixa vai fazê um cúrçio de piscicologia na facú Santa Mariavaicasotra pra aprendê que bixa é ele mermo: Froind exprica!

Proméçia 2
O professôrio que xama o alúnio de búrrio vai assistí o pograma Grobo Rurálio todo dia às cinco da matina pra matá çaudade de seus parente oreiudo ali na telinha e dispois vai pastá no parqui do Birapuera antis da áulia.

Meus assessôrios estaum mandândio eu consultá as base pra incrementá minha pratafórmica de conformes com o pôvio, poríssio estou pedíndio sua contribuiçaum preu fazê novas proméçias confórmio sua sugestaum, ókêio? Mas corre, porquêio vô fazê çó deiz proméçias, iguau Moiséios!

DISPOIS DO PRESIDÊNTIO OPERÁRICO, XEGOU A VÊIZ DO MINÍSTRIO ANALFABÉTICO!


Agora grítia comigo:
É CRÊ, É CRÊ, É CREYSSON NA CABÊÇIA!

Esta mosca vai cair?

Imitando a sensacional tirada do Mauro Silva, "Barbara Gancia é uma mosca que caiu na sopa do Gabriel Chalita", pergunto: a mosca Febem não vai cair na sopa do Geraldo Alckmin? Essa "mosca", do tamanho de um Carandiru, já foi cuidadosamente alimentada durante a gestão Mário Covas, bem na época da implantação do Estatuto da Criança e do Adolescente, e sofreu processo gradativo de engorda, até virar esse monstro prestes a explodir. Era essa mesma a intenção? Criar um novo Carandiru e aguardar até explodir?...

Chega de políticos engomadinhos e suas esposas dasluzetes! O que o Brasil precisa é de pessoas sérias que se preocupem com nossos jovens e não os atirem no calabouço por qualquer motivo. Isto vale também para juízes, promotores e principalmente para os profissionais da educação, que gostam de expulsar da escola as "laranjas podres" (quem não conhece esta expressão não entende nada de educação no Brasil). A "mosca" Febem é o maior exemplo do descaso da sociedade brasileira com seus jovens menos favorecidos. A prova está na foto que sai nos jornais após as rebeliões da Febem: centenas de jovens sem camisa (sinal de rendição) agachados no telhado da instituição, parecendo a imagem de escravos em um navio negreiro. Todos pretos! Como diz o samba-enredo da Rosas de Ouro: "Olhai por nós, ó meu Senhor! Ilumina a igualdade social..."

07 abril 2006

Febem: a vergonha continua

Mais uma rebelião na Febem Tatuapé, devida a espancamentos e torturas, mostra o que todos já sabemos: a criminosa irresponsabilidade do governo paulista ao violar o Estatuto da Criança e do Adolescente. O que porém a sociedade ignora é a tremenda frouxidão - ou será cumplicidade? - do legislativo no trato do assunto. Pasmem! Um batalhão de deputados FOI BARRADO na porta da instituição, após o motim, sendo "convidado" a fazer uma visita no dia seguinte. Enquanto isso, a Febem deve ter conseguido fazer uma "maquiagem" na situação, escondendo os garotos mais machucados e colocando os demais na ducha fria para diminuir as marcas de agressão. Parabéns, Srs. Deputados do Estado de São Paulo!!! Ao aceitarem o convite para uma visita civilizada à assim chamada ´Fundação para o "bem-estar" do Menor`, deram um verdadeiro exemplo de boa educação. A tal comissão foi "liderada" pelo deputado Italo Cardoso, guarde bem esse nome, quando você quiser eleger um deputado firme e corajoso!

06 abril 2006

Uma lição de cidadania

Após uma greve de cem dias no segundo semestre de 2005, o Colégio Pedro II, no Rio de Janeiro, foi ameaçado por nova paralização de professores e funcionários. Os pais de alunos tomaram diversas medidas que parecem ter surtido ótimo efeito: entraram com mandado de segurança preventivo para que fossem contratados imediatamente professores substitutos, pressionaram diversas esferas governamentais no Rio e em Brasília, se organizaram para ocupar o prédio do colégio no caso de greve dos professores, pediram o apoio da imprensa e, principalmente, continuam unidos através do blig http://paisconversandocp2.blig.ig.com.br. Percebe-se que existe alguma divergência de opiniões entre os membros do grupo, mas a comunidade consegue manter um denominador comum, que é a firme atitude de garantir aula e qualidade de ensino para seus filhos. Essas medidas ajudaram a fazer os professores recuar em suas intenções e, certamente, deram uma lição de cidadania, chamando a atenção da sociedade e das autoridades para o absurdo que é uma greve na educação. Se ainda não o tiver feito, assine no mesmo blig o abaixo assinado A EDUCAÇÃO É ESSENCIAL E NÃO PODE PARAR, de iniciativa dos próprios pais do Colégio Pedro II.