Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2007

Alguém comenta?

A mídia finalmente informa sobre o Ensino Médio no Estado de São Paulo:

Jornal da Tarde
Repetência passa de 3,6% em 1996 para 17,8% em 2006.

Diário de S. Paulo
Saresp 2005 revela notas médias (de 1 a 10)
1º ano - Português 3,73
3º ano - Matemática 2,82

O custo do atraso

Samuel Pessoa, professor da Escola de Pós-Graduação em Economia e pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia, ambos da Fundação Getúlio Vargas, no Rio de Janeiro, é incisivo. Ele aponta que o tipo de contrato de trabalho que se estabelece entre o setor público e os profissionais da Educação gerou um corporativismo na categoria impensável entre outros tipos de trabalhadores. "Se o professor falta, não é punido no bolso e poucos têm coragem de discutir a culpa dele quando o aluno fracassa. Tudo é responsabilidade do sistema e ficamos por isso mesmo", ataca.

Revista Nova Escola – fev 07

Ensino reprovado

Elisângela nos escreve:
Estive pesquisando e gostaria de tirar uma dúvida. Um amigo de meu filho ficou de recuperação final, fez as provas e de acordo com o resultado que a escola disponibilizou ele ficou reprovado. Ele pediu para ver as provas, porque não concorda com o resultado. A escola está enrolando. A minha pergunta é: ele tem direito de ver o resultado? Se tem, onde encontro a lei que comprova? A quem ele deve recorrer primeiro? Obrigada!!
Elisângela, é muito simples: crianças e adolescentes não costumam ser respeitados na escola, portanto o ideal é o pai, a mãe ou um responsável ir com ele na diretoria da escola, levando impresso o seguinte artigo do ECA:

53º A criança e o adolescente têm direito à educação, visando ao pleno desenvolvimento de sua pessoa, preparo para o exercício da cidadania e qualificação para o trabalho, assegurando-se-lhes:
III - direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares superiores.

Se mesmo assim o diretor recusar, …

Chame o ladrão!

Entre as pérolas que “abrilhantaram” este Carnaval está a agressão a um grupo de 6 estudantes entre 13 e 17 anos, acompanhados por um adulto, por parte de 5 policiais militares. Lá em Recife, a cidade mais violenta do Brasil, de acordo com a Santa,
http://blogdasanta.blogspot.com, que nos repassou a informação.

O fato aconteceu no sábado, no bairro pacato de Casa Forte, durante o desfile de um bloco carnavalesco. Os policiais supuseram que um dos garotos, de 14 anos, estivesse cheirando uma substância contida em um frasco caído no meio da avenida. Eles começaram a bater com cassetete no adolescente e nos colegas, que tentaram defendê-lo. No final, um dos policiais despejou na cabeça do garoto o ácido contido no frasco, provocando seu desmaio e queimaduras no rosto e pescoço. O adulto acompanhante relata que, após derramar o líquido no menino, os policiais entraram numa viatura e foram embora tranqüilamente.

A sorte desse garoto é que, por ironia do destino, seu próprio pai é policial mil…

A Folha "acordou"!

O editorial de ontem da Folha de São Paulo, Prêmio à ineficiência, mostra que a mídia finalmente despertou para a grave inversão de valores que domina a rede pública de ensino em São Paulo. O artigo se refere unicamente à rede municipal, que distribuiu bônus aos professores sem levar em conta nem mesmo a assiduidade. Isto significa que, além da ineficiência, está sendo premiado o flagelo da AULA VAGA, fenômeno que consome até 30% do ano letivo, principalmente nas periferias. A rede estadual também adotou o mesmo critério e esperamos que outros meios de comunicação despertem para a necessidade de divulgar esse descalabro, a fim de que os governantes parem de premiar o absenteísmo e a incompetência.

A "dança" das siglas

Aqui neste blog, "nóis si diverte". Ou melhor, é tanta a indignação com as denúncias recebidas, que precisamos de uma válvula de escape para relaxar. O "causo" da EE Brasílio Machado no primeiro dia de aula: chamar a polícia na escola, ameaçar os alunos com spray de pimenta e retirar os não uniformizados à força de dentro da escola é de uma gravidade tamanha que só poderia acontecer nesta Paulicéia Desvairada. E engolir uma dessas, só rindo. Ainda bem que chegou o Carnaval, olé, olé, olé, olá!

Bueno, além das autoridades "competentes", encaminhamos a denúncia também para o Governador José Serra, nos dois e-mails que encontramos após nossa pesquisa: saopaulo@sp.gov.br e governador@sp.gov.br.

Deu-se ontem um fato muito interessante: o saopaulo@sp.gov.br enviou um e-mail ao infoeducacao@educacao.sp.gov.br reencaminhando nossa mensagem e pedindo um posicionamento, com cópia para nós. Palmas para o saopaulo@sp.gov.br! Se Deus quiser, finalmente, após anos de men…

Aula vaga em alta temporada!

Vergonhoso número de aulas vagas!

E não é que temos um aliado de peso contra a aula vaga logo no início do ano letivo! OBA!
Os professores no orkut já estão fazendo a caveira dele! rs
http://www.orkut.com/CommMsgs.aspx?cmm=46367&tid=2515463769363034190&na=3&nst=11&nid=46367-2515463769363034190-2515702831537347771
Os números são assustadores e eles insistem em por a culpa no Dimenstein... É no mínimo rídiculo!...Que não somos capazes de nos meter na pedagogia e didática poderiam alguns tolos até engolir... Mas que não possamos reclamar que faltem ao trabalho é demais ...
E pensar que muitas das faltas ainda são encobertas pela direção e abonadas...
Acho que eles não têm mesmo vergonha de nada...
Será que eles se acham mesmo no direito de ser uma classe trabalhadora acima da fiscalização... acima do comparecimento...
Nenhumzinho comentou ou questionou se realmente não tem gente exagerando...
Aí vai o artigo do
GILBERTO DIMENSTEIN
A lição das faltas premiadas
---------------------------------------------------------…

Que 1º dia de aula!

Ontem, primeiro dia de aula na rede estadual de São Paulo, ocorreu um fato assustador. Assustador, para quem não conhece a EE Brasílio Machado, aquela escola onde em março do ano passado a polícia militar foi chamada para retirar da sala de aula duas alunas não uniformizadas. Otimistas que somos, pensamos que a escola tivesse sido orientada e que não tomaria novas medidas ilegais. Abaixo transcrevemos a mensagem impressionante que recebemos hoje do pai de uma aluna. Acabamos de encaminhá-la à Ouvidoria da Educação e à própria Secretária Maria Lúcia Vasconcelos pedindo, desta vez, intervenção na escola, que aparentemente apresenta muitas outras irregularidades. Parabéns para esse pai que, além de relatar os fatos de forma tão precisa, foi registrar o assunto no Livro de Ocorrências da escola. É para isso que ele serve!

A VEEELLLHHHAAA questão dos uniformes adquiriu, no Brasílio Machado,colégio da Vila Mariana, características realmente alarmantes: no primeiro dia de aula, não apenas os…

Se vira!

O aluno Fernando (leia o post abaixo) acabou de receber uma mensagem automática do ProUni: uma série de orientações burocráticas que não levam em conta a situação minuciosamente relatada por ele em seu e-mail.
O mesmo que responder: se vira, Fernando! Sabendo que ele iria receber uma mensagem como essa, resolvemos nós mesmos exigir uma resposta "inteligente" das autoridades. E vamos cobrar!

Queremos também deixar claro que o aluno não se queixou da qualidade das aulas, mas do sucatamento do curso, que sofreu N manipulações da grade, culminando no absurdo da extinção do 5º e 6º semestres durante o ano em curso. Entendemos que deveríamos dar este esclarecimento.

O futuro do Brasil

Este modesto blog é um pequeno espaço privilegiado para onde aportam mensagens que nos fazem acreditar no futuro do Brasil. Não todas elas, é claro. Algumas mensagens são tão desesperançadas que nem sabemos por onde começar a ajudar. A mensagem mais surpreendente que já recebemos é do Fernando, um garoto de 20 anos com a maturidade que muito adulto sonharia ter. Ele nos contatou com um problema muito sério, mais um problema do ProUni, justamente logo depois que acabamos de ajudar a resolver outro. O relato do Fernando mostra claramente a falta de respeito com que são tratados nossos jovens em certas faculdades particulares, onde o ensino não passa de mercadoria. E também mostra a falta de fiscalização de um governo que cria um projeto de inclusão e permite que os jovens sejam novamente excluídos, de forma ainda mais perversa. Mas Fernando reagiu a toda essa situação com uma atitude corajosa, inteligente e positiva: enviou uma mensagem ao ProUni e ao MEC relatando os dois anos de decep…

Finalmente, a avaliação

De alguns anos para cá, parece que o Brasil descobriu a importância da avaliação escolar.

DEMOROU!!!

Este meu post é dedicado àqueles que são contra a progressão continuada e, por pura ignorância, a chamam de “empurração automática”.

Quem me conhece sabe que eu nunca defendo uma teoria antes de conhecer a prática. E eu vou falar da progressão continuada como foi praticada na escola dos meus filhos. Ela foi implantada por Paulo Freire/Mário Sérgio Cortella na rede municipal de Sampa, no início da década de 90. Ela é fundamentada na avaliação contínua do aluno e se chama progressão CONTINUADA porque a avaliação também é contínua. E um terceiro fator é a recuperação contínua. Sem a avaliação e a recuperação, a progressão continuada NÃO FUNCIONA. É um tripé:

PROGRESSÃO CONTINUADA =
AVALIAÇÃO CONTINUADA + RECUPERAÇÃO CONTINUADA

Na escola dos meus filhos havia um projeto, muito bem implantado, de interdisciplinaridade. Digo muito bem implantado, porque sempre acompanhei de…

Educação sem Escola?

Lendo no Blog da Glória parte do livro do Lauro Oliveira Lima me deu vontade de compartilhar esse pensador com vocês. É Ivan Illich e ando namorando as idéias dele pois para mim Repensar a Educação é URGENTE! Para entender o novo paradigma que a escola tem que incorporar e não cair no discurso vazio e superficial de professores que só querem defender sua prática (sacrificada, triste, desvalorizada e mal remunerada...etc... etc... etc....) podemos examinar as idéias de Ivan Illich sobre a Não ESCOLA na Educação.
Em Educação sem Escola?, Ivan Illich faz uma análise crítica das instituições educativas atuais e das suas características e propõe a criação de um sistema alternativo que rebata a figura da escola na de uma aprendizagem não enquadrada institucionalmente.
Segundo Illich, o atual sistema educativo converteu-se num sistema burocrático, hierarquizado e manipulador, tendo como função primordial a reprodução e o controlo das relações económicas. “Por toda a parte, o aluno é levado a…